quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Via Mangue começa a sair do papel

28/9/2010

Folha de Pernambuco (PE)


Um dos mais importantes projetos viários da Cidade do Recife começa a se concretizar a partir de hoje, com o lançamento, no Diário Oficial do município, do edital de licitação para a construção da Via Mangue. A obra, que irá interligar a Ponte Paulo Guerra, no Pina, à avenida Antônio Falcão, em Boa Viagem, está orçada em aproximadamente R$ 430,7 milhões e faz parte da estruturação do Recife como uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. A via é parte de um projeto que se iniciou com a construção do Túnel Josué de Castro, que liga a avenida Antônio de Góis com a rua República Árabe Unida. A implantação da passarela do Pina, a construção de três conjuntos habitacionais e ações de saneamento na área também fazem parte do pacote de obras do projeto. O processo de licitação deverá ser finalizado até dezembro.

O projeto contempla ainda a construção de uma ciclovia, de oito pontes, sendo cinco para preservar a vegetação nativa do manguezal que existe na área, dois viadutos sobre a rua Antônio Falcão e o alargamento da Ponte Paulo Guerra, com uma alça que fará a ligação até a via, num total de 4,5 quilômetros de extensão. As características do local serão de uma via expressa, com três faixas no sentido Boa Viagem /Pina e duas no sentido inverso, onde a velocidade média será de 60 quilômetros por hora e não irá possuir semáforos, nem cruzamentos de tráfego. Com isso, a Prefeitura já estuda a possibilidade de se criar um corredor exclusivo para ônibus na avenida Domingos Ferreira, viabilizando o Corredor Norte-Sul.

Para a Prefeitura, a obra também é uma opor tunidade de se criar postos de trabalho na construção civil. Estão estimadas a criação de 900 novas vagas, entre empregos diretos e indiretos, durante o andamento do projeto. Para a presidente da URB, Débora Mendes, esta obra é estratégica para o desenvolvimento econômico, social, turístico e ambiental da cidade. "Também é uma alternativa que criamos para as pessoas que precisam seguir do Pina para Boa Viagem, de maneira rápida, já que a via é a primeira expressa do município".

A viabilidade financeira é uma parceria entre a Prefeitura do Recife com o Governo Federal, através de recursos do FGTS e do Programa Pró-Transporte, que é vinculado ao PAC Copa do Mundo 2014. Além da parte viária, o projeto englo ba ações em saneamento integrado, com a implantação de rede de esgoto e estações ele vatórias, e também na área de habitação, com a construção de três habitacionais. Um deles, na Imbiribeira, já foi entregue e hoje, abriga 352 famílias. Os outros dois estão sendo construídos no Pina e receberão 640 famílias das comunidades Jardim Beira Rio, Beira Rio e Deus nos Acu da. A previsão é que esta etapa da Via Man gue tenha início em janeiro de 2011, com prazo de entrega de dois anos e meio.

Recife ganhará novo sistema viário



 



A Prefeitura do Recife acaba de lançar no Diário Oficial o edital de licitação para concretização do Projeto Via Mangue, que consiste em um sistema viário com 4,5 quilômetros de extensão que interligará a Ponte Paulo Guerra, no Pina, à Avenida Antônio Falcão, em Boa Viagem.
Com investimento de aproximadamente R$ 430,7 milhões, a obra propiciará o fortalecimento do desenvolvimento econômico na Zna Sul, além de representar mais uma etapa na preparação do sistema viário do Recife para a realização da Copa do Mundo em 2014.
A licitação contempla a última parte do projeto viário composto por diversas intervenções, desde a via em si, até a construção de pontes e elevados. A bra tem prazo previsto de 30 meses para sua conclusão.
O sistema viário da Via Mangue será composto por faixas de rolamento para veículos, calçadas para pedestres e ciclovia. Esta será a primeira via expressa do Recife, com velocidade média de 60 quilômetros por hora. Ela não possuirá semáforos ou cruzamentos de tráfego e contempla ainda, a acessibilidade para deficientes e idosos.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Prefeitura do Recife lança edital da Via Mangue

Corredor Via Mange será ampliado para a Copa 

Gabriela Ribeiro - Recife - Portal 2014
postado em 28/09/2010 19:18 h
atualizado em 28/09/2010 19:21 h


Uma das mais importantes obras viárias que serão executadas no Recife com foco na melhoria da mobilidade urbana para a Copa de 2014, a Via Mangue teve seu edital de licitação lançado pela prefeitura nesta terça-feira (28).

A obra terá investimento de R$ 500 milhões, de acordo com o secretário de Controle, Desenvolvimento Urbano e Obras da prefeitura, Amir Schvartz, que afirma iniciar as intervenções até janeiro de 2011.

A obra integra o PAC da Mobilidade Urbana, programa federal criado para facilitar a circulação de pessoas e veículos nas cidades-sede da Copa. O financiamento é do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e tem a Caixa Econômica Federal (CEF) como repassadora.

A última etapa do projeto Via Mangue beneficia a zona sul do Recife. Abrange a construção de uma via expressa de 4,5 km ligando a ponte Paulo Guerra (bairro do Pina) à av. Antônio Falcão (Boa Viagem).

O sistema viário terá faixas de rolamento para veículos, calçadas para pedestres e ciclovias. O projeto inclui ainda a construção de dois elevados sobre a av. Antônio Falcão, oito pontes, um alargamento da ponte Paulo Guerra e uma passagem semienterrada. O prazo para a conclusão das obras é de 30 meses.

A prefeitura afirma que construirá habitações para as famílias desapropriadas e que realizará ações de saneamento. Um dos conjuntos habitacionais já foi concluído e abriga 352 famílias. Outros dois ficarão prontos até dezembro de 2011 e poderá receber 640 famílias.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Obras prometem melhorar a mobilidade urbana no Recife até 2014



Entre os projetos estão o BRT, faixa exclusiva de ônibus e o Via Mangue, na zona sul da capital


Vídeo de apresentação do projeto Corredor Norte-Sul (crédito: Divulgação)
Gabriela Ribeiro - Recife - Portal 2014
postado em 22/09/2010 18:50 h
atualizado em 22/09/2010 19:03 h
 
A Região Metropolitana do Recife (RMR) sofre com problemas no tráfego, assim como todas as grandes cidades brasileiras. Com um sistema de transporte precário, Pernambuco pretende implantar alguns projetos viários, que devem melhorar o problema de mobilidade urbana até a Copa de 2014.

O corredor Norte/Sul é um deles. O projeto vai criar corredores exclusivos de ônibus, o Bus Rapid Transit (BRT), que irão percorrer seis municípios da RMR. O projeto foi encomendado pela Urbana-PE (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros no Estado de Pernambuco) ao escritório do arquiteto urbanista Jaimer Lerner, e vai contar com investimento de R$ 300 milhões.

O sistema BRT também vai fazer parte do projeto Corredor Leste/Oeste, que vai ligar a avenida Caxangá, na zona oeste do Recife, até a Cidade da Copa, em São Lourenço da Mata. A obra do governo do Estado terá investimento de R$ 99 milhões e início previsto em abril de 2011.
Ainda na avenida Caxangá, há o projeto de outra obra voltada à melhoria da mobilidade urbana. Trata-se de uma faixa exclusiva de ônibus que vai da avenida Conde da Boa Vista, no centro do Recife, até a Caxangá. O custo é de R$ 74 milhões, e o projeto inclui reconstrução de calçadas, arborização e novas paradas de ônibus.

Para facilitar o acesso da população à Cidade da Copa, o governo pernambucano anunciou que vai construir, em São Lourenço da Mata, uma estação de metrô e o terminal integrado Cosme e Damião. O prazo para finalizar a obra, que terá custo de cerca de R$16 milhões, é até julho de 2012.

Via Mangue
A zona sul do Recife, local que deve receber muitos turistas em 2014, será beneficiado com a Via Mangue, uma via expressa com 4,5 km de extensão, que liga o bairro do Pina à avenida Antônio Falcão, em Boa Viagem. Orçada em R$ 500 milhões, a obra será executada pela Prefeitura do Recife e vai receber ações de saneamento, urbanização e habitação.

De acordo com o secretário de Controle, Desenvolvimento Urbano e Obras da Prefeitura do Recife, Amir Schvartz, a Via Mangue é uma necessidade, tendo em vista que o setor hoteleiro se concentra na zona sul e o bairro de Boa Viagem é um dos mais adensados da cidade.

De acordo com Schvartz, a obra já está licenciada e todos os trâmites necessários foram executados. Ainda segundo o secretário, foi dado início à desapropriação das 992 famílias que moram no local - grande parte delas residem em palafitas – que serão transferidas para três conjuntos habitacionais. Um deles está pronto e os outros dois devem ser concluídos até dezembro de 2011.
As obras viárias da Via Mangue ainda não foram licitadas, mas, de acordo com Schvartz, a licitação deve acontecer até o final deste mês. “A nossa expectativa é que até janeiro de 2011 a obra se inicie. A conclusão está prevista para junho de 2013, mas após a licitação nós vamos traçar um planejamento com a empresa vencedora com o objetivo de finalizá-la antes deste prazo”, promete.

http://www.copa2014.org.br/noticias/5330/OBRAS+PROMETEM+MELHORAR+A+MOBILIDADE+URBANA+NO+RECIFE+ATE+2014.html

domingo, 5 de setembro de 2010

Preço dos imóveis dispara no Grande Recife



Publicado em 04.09.2010, às 21h15

Giovanni Sandes De Economia/ JC
 
Guardar dinheiro na velha caderneta de poupança para dar entrada em um apartamento novo na Região Metropolitana do Recife (RMR) é uma estratégia muito questionável. Enquanto o tamanho dos apartamentos novos só faz cair, seus preços sobem rápido e impulsionam o custo do metro quadrado. Em qualquer comparativo, usando a inflação ou a própria poupança, o preço dos imóveis ganha na corrida. O crédito fácil mantém o consumo, mas o próprio mercado já começa a questionar qual o limite dessa subida de preços. O investidor em imóveis precisa se preparar para uma menor rentabilidade.

Faltam indicadores precisos para medir o m² em todo o Grande Recife. Mas o presidente da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Pernambuco (Ademi), Alexandre Mirinda, estima que só nos dois últimos anos a alta foi de 30%. No período, a poupança subiu 14,98% (veja arte).

“Não diria que está caro. Antes do boom imobiliário, os preços estavam defasados. Hoje, temos equilíbrio de preços. E nos últimos seis meses o metro quadrado estacionou”, afirma Mirinda. Mas os consumidores e os números do mercado ainda não mostram a parada nos preços.

“Eu morava com minha esposa em uma casa alugada. Vimos que o aluguel pagaria um apartamento. Porém, os preços estão mudando muito, a cada 30 dias. Entre achar o apartamento que comprei, que estava a R$ 96 mil, e comprar, por R$ 118 mil, foram só dois meses”, diz o funcionário público Márcio Alencar, 38 anos.
Ele vive há dois meses com a esposa Carolina Alencar, 25 anos, e o filho, de três anos, na casa da sogra. Sem o aluguel, paga todos os meses a prestação da vez e a última parcela, reduzindo mais rápido o saldo devedor. Márcio, porém, ficou indeciso até a compra. Optou pelo Cordeiro após conferir outros dois bairros. “Embora os preços estejam altos, há muita oferta.”

A pedido do JC, a Unidade de Pesquisas Técnicas (Uptec) da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe) calculou a variação do m² nos bairros que mais se destacaram na oferta de apartamentos novos desde 2005. Osangela Sena, economista da Uptec, ressalta que não se pode fazer o cálculo para a RMR inteira, pois nem todos os bairros têm preços registrados mensalmente.

Na média anual de 2005 até 2010 (considerando o período de janeiro a julho), Casa Caiada, em Olinda, lidera o crescimento percentual, com uma alta de 73,10%. Lá, o metro quadrado custa, em média, R$ 2.577. Em 2005 era R$ 1.488. Boa Viagem, que tem o metro quadrado mais caro do Grande Recife, viu seus preços subirem 67,36%, de R$ 2.035 para R$ 3.406. Em Casa Forte, o aumento foi de R$ 1.736 para R$ 2.930, ou 68,75%. Ou seja, nos três bairros, as subidas de preços ficaram em torno de 70%.

Enquanto isso, no mesmo período, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), inflação oficial do País, cresceu 29,68%, e o Índice Geral de Preços ao Mercado (IGP-M), muito usado em aluguéis, avançou 29,35%. A poupança cresceu 52,64%.

Apesar da subida, no acumulado de 2010 até julho foram 5.093 imóveis vendidos no Grande Recife, contra 2.729 em igual período do ano passado e 2.152 nos mesmos sete meses de 2008. “A razão das vendas continuarem firmes é o crédito facilitado. Não só a disponibilidade, mas o montante do financiamento incentiva as pessoas a comprar um imóvel novo”, comenta o economista Heródoto Moreira.

A questão crucial é até quando (e quanto) o consumidor suportará uma alta tão rápida de preços. Na média, Boa Viagem, Casa Forte e Casa Caiada tiveram mais de R$ 1.000 em reajuste no m², no confronto da média dos sete meses deste ano com o apurado em 2009.

Fabiano Santos de Souza, 30 anos, diretor comercial de uma agência turismo, recebeu as chaves de seu primeiro apartamento em março. Mas ainda está montando a casa, depois de gastar mais do que o esperado na aquisição do imóvel.

“No começo, imaginei comprar em Boa Viagem por R$ 50 mil, R$ 60 mil. Imagina a inexperiência? Quando fui procurar, não encontrei nada disso. Estava a R$ 100 mil, R$ 150 mil. Comprei por R$ 140 mil. Hoje está avaliado em R$ 200 mil. São 60 metros quadrados”, conta Fabiano.

“Ninguém sabe o que acontecerá com os preços. Mas o ritmo dos aumentos vai cair. Acho que o grande salto já foi dado. Tem gente que acha que isso vai até 2014. Acho que o recado é: imóveis continuarão um bom investimento. Mas o retorno será menor”, avalia o diretor da True Imóveis, Henrique Abath.